Ocupou o cargo de secretário municipal de Comunicação dos prefeitos Fernando Collor de Mello, José Bandeira e Djalma Falcão
Capa
Publicidade
DESTAQUE
Postado em 09/07/2020
MUNIZ FALCÃO VAI CONTINUAR A HISTÓRIA DA FAMÍLIA
Por José Elias
0
Postado em 09/07/2020
LUCILA TOLEDO COM CAMPANHA PRONTA EM CAJUEIRO
Por José Elias
0
Postado em 09/07/2020
DUDU ACHA QUE DEPUTADOS VÃO ÀS MAJORITÁRIAS
Por José Elias
0
Postado em 09/07/2020
LEÃO DIZ QUE TEÓFILO GOVERNA COM O CORAÇÃO
Por José Elias
0
Postado em 09/07/2020
APOSTA MOVIMENTA MERCADO DO VOTO PARA PREFEITO
Por José Elias
0
Postado em 08/07/2020
ISNALDO BULHÕES MARCA REGISTRADA DOS SERTANEJOS
Por José Elias
0
Publicidade
OPINIÃO
Postado em 09/07/2020

ISNALDO BULHÕES: ESCREVEMOS JUNTOS UMA HISTÓRIA NA POLÍTICA

Sempre confessou o desejo de editar um livro sobre Santana do Ipanema, seu pai e sua mãe

Ao contrário de muita gente, falta-me inspiração para escrever sobre amigos bem próximos. Convivência de mais de 50 anos, que escrevemos juntos uma página quando o hoje deputado federal Isnaldo Bulhões tinha mais ou menos três anos. Como irmãos, brigamos e discordamos, mas sempre colocando o respeito acima de tudo.
   Isnaldo Bulhões, o pai, morava numa humilde casa, perto da Igreja dos Capuchiinhos e amanhecemos muito na sua porta. Saudosa memória. Senadinho da Praça Pedro II fez história, com Lauro Farias, Biu de Lira, Edmundo Donato, Joinha e João José Pereira. Motivo para depois das oito da noite tomar uma e comer galeto na Toca.
    Fumante profissional – parou porque a esposa e a filha, médicas, deram muitos esporros.  Restaurante Biffalos, antigo Hiper, Farol, a noite era uma criança, como dizem os velhos boemios. Eu, ele, Luciano Barbosa, Célia Rocha, Ceci Cunha, Arlindo Chagas, Serginho Alencar, Eraldinho Bulhões só saiamos de lá quando o garçom expulsava.